#Coronavirus #Brasil : “O médico não abandona o paciente”: o ministro da Saúde do Brasil diz que não planeja deixar o consultório “por conta própria” – 4 abril 2020

Em meio à crise do coronavírus, e depois de confrontar o presidente Jair Bolsonaro, Luiz Henrique Mandetta afirmou que está focado em seu trabalho.
“O médico não abandona o paciente”: o ministro da Saúde do Brasil diz que não planeja deixar o consultório “por conta própria”

O ministro da Saúde do Brasil, Luiz Henrique Mandetta, negou na sexta-feira ter pensado em renunciar ao cargo, apesar das divergências de opinião do presidente Jair Bolsonaro sobre o tratamento da crise do coronavírus.

“Quanto a deixar o governo por conta própria, tenho uma coisa na vida que aprendi com meus professores: ‘o médico não abandona os pacientes'”. Mandetta disse quando perguntado por jornalistas durante uma conferência de imprensa no Palácio do Planalto.

O chefe do portfólio de saúde afirmou que ele está focado “no serviço, no trabalho”. “Quem me pediu para cuidar desse paciente chamado Brasil, neste momento, é o presidente. E eu dei todas as informações”, disse o funcionário.

Além disso, ele acrescentou que “entende” os empresários que reclamam com o presidente e querem uma solução rápida.

Uma pesquisa recente realizada pela consultoria Datafolha indica que 76% da população brasileira aprova o Ministério da Saúde, enquanto apenas 33% apóiam o que Bolsonaro fez.

Desde que o primeiro caso de coronavírus foi detectado no Brasil, o Presidente tentou minimizar os perigos da pandemia e evitou ditar medidas para impedir a disseminação do vírus, como isolamento social, suspensão de atividades públicas e privadas ou fechamento de lojas.

O presidente argumentou sua posição dizendo que travar a economia para evitar o contágio causaria um “desastre”. Nesse contexto, ele questionou os governadores que aplicavam restrições de movimento em seus distritos e pediu que fossem levantados.

Com o aumento exponencial de casos – o país registra 359 mortos e 9.056 infectados – Bolsonaro modificou gradualmente sua linha de discurso. Em menos de uma semana, ele passou de nomear o conoravírus de “gripe” , para reconhecer que a atual crise implica “o maior desafio de nossa geração”.

O chefe de Estado reconheceu que ele precisava do Dr. Mandetta para “vencer esta batalha”, então, segundo ele, ele não considera removê-lo do cargo. No entanto, ele não escondeu seu desconforto com o ministro. Ele disse que o funcionário “quer seguir sua vontade”, que não tem “humildade” e que deve ouvir um pouco mais o Presidente da República.

https://actualidad.rt.com/actualidad/348780-doctor-abandona-paciente-ministro-salud-brasil?utm_source=browser&utm_medium=aplication_chrome&utm_campaign=chrome

Mandetta z

#Coronavirus -> 7 notícias que lhe darão otimismo durante a pandemia de coronavírus – 3 abril 2020 – https: // news .rt.com

A recuperação do idoso, uma possível reativação econômica, menos contaminação, avança para a vacinação e incríveis ações de solidariedade: tudo o que é necessário para deixar para trás o pessimismo.

As notícias negativas sobre o surto global do novo coronavírus estão na ordem do dia e, embora seja importante estar bem informado, muitas vezes pode invadir o pessimismo. Então, para ter um pouco de otimismo, compartilhamos sete fatos que podem nos fazer recuperar a esperança. Afinal, quem disse que tudo está perdido?

1) Há idosos se recuperando

Seria reiterativo lembrar que os idosos estão em grupos de risco e, portanto, devem cuidar muito mais deles mesmos. Mas, para não se desesperar. De fato, existem vários casos de idosos afetados pela covid-19 que emergiram com sucesso dessa situação, como Pepita, uma mulher de 95 anos que se recuperou com sucesso. Neste vídeo, você pode vê-la se despedindo da equipe médica do Hospital Universitário Puerta de Hierro, na Comunidade de Madri, caminhando ao ritmo dos aplausos.

Qual de vocês atingirá a idade dele assim?
👉@enfergeronto Os presentamos a PepitaA sus 95 años ha superado el COVID-19 Así le han aplaudido todos los profesionales del Puerta de HierroDada de alta lanzando besos y dando las gracias A la SEEGG nos ha alegrado el día, hay esperanza
🎥 Fuente @NiusDiario 👇https://twitter.com/enfergeronto/status/1244707666129309696

👉Também temos Antonio, um homem de 93 anos, que recebeu alta de Sevilha: https://youtu.be/QgX1yLGM6zk .

👉No momento, Italica Grondona, moradora de Gênova, é a pessoa de vida mais longa que conseguiu derrotar o coronavírus: ele tem 102 anos e já causou furor na Itália.

2) É feito progresso para obter a vacina e novos tratamentos
Diferentes entidades estão trabalhando nisso, enquanto a humanidade espera por algum cientista para esclarecer e encontrar a fórmula. Embora seja verdade que a Agência Europeia de Medicamentos (EMA) já tenha anunciado que a disponibilidade de uma vacina pode levar pelo menos um ano, não vamos perder o otimismo. De fato, essa organização sediada em Amsterdã (Holanda) apontou que existem duas vacinas que já entraram na fase de ensaios clínicos .

Mas isso não é tudo. No Reino Unido, a Universidade de Oxford recrutou 510 voluntários corajosos e saudáveis ​​para serem submetidos a exames médicos e receber injeções. Segundo Adrian Hill, diretor do Jenner Institute – uma entidade que faz parte das tarefas – Oxford tem “uma experiência excepcional de resposta rápida, como aconteceu com o surto de Ebola na África Ocidental em 2014”.

Muitos laboratórios assumem o objetivo titânico de solucionar o surto global. Por exemplo, no final de março no México e em outros países, foi anunciado que será investigado se o sangue de pessoas já recuperadas da covid-19 pode ser usado para erradicar a doença: “Demonstraremos que o vírus não circula mais em seu corpo e Ele pedirá plasma “, informou o diretor de Benefícios Médicos do Instituto Mexicano de Seguridade Social (IMSS), Victor Hugo Borja Aburto.

Assim, nos EUA eles seguem a mesma linha, embora sejam cautelosos: “Não saberemos até sabermos, mas as evidências históricas são animadoras”, disse o Dr. Arturo Casadevall, membro da faculdade de saúde pública da Universidade John Hokpins. Essa prática já foi usada para combater o Ebola e a SARS, por isso existem bons presságios. No momento, aqueles que não entendem o assunto podem confiar que as pessoas com aventais fazem o melhor que podem.

3) A economia pode subir

Esse é outro ponto delicado, porque não se trata apenas de números frívolos: se houver recessão e as contas não fecharem, isso leva a mais desemprego, queda de salários, aumento da pobreza, fome e endividamento em várias nações. Mas a idéia é incentivá-los: muitos especialistas dizem que após o declínio acentuado, a economia também pode se recuperar rapidamente .

É que, embora durante semanas tenha reinado a histeria e o pânico generalizado no mundo das finanças, existem vários homens sábios nos quadros-negros que esclarecem que esta crise é muito diferente da de 2008 , ano em que as bolsas de valores do mundo falharam.

Schroders, especialista multinacional britânico em gerenciamento de ativos, prevê que a atual paralisação geraria uma queda no Produto Interno Bruto (PIB) mundial muito maior do que era então: 3% contra 0,5%, respectivamente. Até agora, tão ruim. No entanto, eles destacam que pode haver um circuito em forma de “V” . Em outras palavras, após o colapso, se tudo correr bem, as empresas e o setor reabrirão e as atividades em geral retornariam rapidamente . Tudo isso comparado à última crise financeira: EUA. ele levou três anos para atingir seus níveis de PIB antes do intervalo.

👉No entanto, o grande medo é que novos surtos de coronavírus apareçam, produzindo um ciclo “W”, com outro colapso. Mas por que devemos ser tão pessimistas? Se por isso já temos as notícias todos os dias.

4) Reduza a poluição, e todos notaram

Nos últimos dias, a questão do meio ambiente não só foi totalmente colocada na agenda pública, mas agora milhões de pessoas confinadas em suas casas por quarentena descobriram que, se estiver menos poluída, a vida poderá ser muito mais saudável.

Com efeito, a questão deixou de ser um simples slogan de uma ONG ambiental para se tornar uma verdade irrefutável: a realidade .

Por exemplo, a RT descobriu que em importantes cidades da América do Sul, como as capitais da Argentina e do Equador, a poluição do ar urbano já foi reduzida em média em 50% , melhorando bastante a qualidade do ar, para deleite dos asmáticos e amantes de oxigênio. em geral. Embora pareça contraditório, isso não teria sido possível sem a pior pandemia do nosso tempo.

🚩Mas agora que percebemos, é hora de exigir um modelo de desenvolvimento mais sustentável?

5) Há muitas pessoas refletindo, agora

É verdade que ficar trancado em casa é horrível, desde que tenhamos o privilégio de ter um telhado. Mas, fora do nosso turbilhão diário, também é uma oportunidade muito boa para refletir sobre aspectos pessoais, como vários psicólogos já recomendaram . E, em nível social, quando é cansativo bater nas paredes da casa, muitos terão tempo livre para pensar em como melhorar sua vizinhança, o país ou o mundo , e isso não é pouca coisa. Haverá milhares? Milhões? Sendo assim, ouvem-se vozes dizendo que 🚩o coronavírus chegou para pôr em ordem a ordem estabelecida.

De fato, existem filósofos que expressaram suas opiniões e não passaram despercebidos. Por exemplo, o esloveno Slavoj Zizek, que lançou um livro em tempo recorde chamado ‘Pandemia!’, Disse que “o mundo nunca mais será como o conhecíamos” . Ele também divulgou: 🚩”O comunismo é a solução para o coronavírus”.

Por sua vez, o sul-coreano Byung-Chul Han sustenta que não haverá mudanças sistemáticas: 🚩”O vírus não derrotará o capitalismo. A revolução viral não ocorrerá. Nenhum vírus é capaz de fazer a revolução. O vírus nos isola e Individualiza. Não gera nenhum sentimento coletivo forte “, ele descartou. Bem, pelo menos a questão é levantada.

E enquanto se debate o controle social exercido pelas autoridades, Darío Sztajnszrajber, da Argentina, destaca que esta é uma grande oportunidade para recuperar o significado de cidadania : 🚩”A democracia também garante que o Estado não deixe seus limites institucionais”. ele disse ao La Nación.

6) O papel dos Estados é reforçado

E sim, às vezes nos incomoda e os políticos de plantão podem nos dar nojo. No entanto, quando as batatas queimam, a opinião é unânime: 🚩o Estado deve nos proteger. Assim, os queixosos que semanas atrás defendiam o livre mercado agora pedem à administração pública que faça algo para impedir que suas empresas sejam fundadas, paralisadas pelo isolamento social obrigatório. Em outras palavras, injetar dinheiro.

Embora seja verdade que muitos estados vêem suas economias atingidas, e vários países aumentam sua dívida externa para enfrentar a crise nesta crônica de um ‘default’ anunciado, a maioria da sociedade reconhece o papel dos representantes: são os líderes que eles devem assumir a responsabilidade pela pandemia. Ninguém realmente espera que empresas, ONGs ou algum grupo de filantropos generosos resolvam o problema. Isso é política.

Nesse contexto, os cuidados de saúde aparecem no centro do debate . Embora em muitas nações o acesso à saúde seja um direito universal básico, se os cuidados não forem garantidos, seriam apenas palavras bonitas em um livro constitucional. De fato, em alguns países, o sistema estava saturado por esse surto inesperado. Agora, com o avanço do coronavírus, políticas públicas erradas, más condições de trabalho e uma resposta insuficiente são evidentes. O bom é que, diante da emergência e dessa exposição, os Estados concentram todas as suas ações no fortalecimento da saúde pública . As leis não são mais suficientes, devemos atender bem.

7) Pandemia de solidariedade

Os piores momentos também trazem o melhor de nós. Em meio ao maior conflito de saúde nas últimas décadas, ações de solidariedade estão ocorrendo em diferentes partes do mundo. 🚩Na província de Buenos Aires (Argentina), está ocorrendo um caso marcante: o gráfico americano Donnelley faliu há alguns anos, os trabalhadores recuperaram o local e o converteram em Madygraf. Agora, a fábrica de gerenciamento de trabalhadores , juntamente com a Universidade Nacional de San Martín (UNSAM), produzirá álcool gel e máscaras para hospitais e bairros humildes . Antes, imprimi cópias da Paparazzi, uma revista de celebridades.

Existem muitos exemplos em várias regiões, mas o caso da impressão 3D é o mais interessante. Na Espanha, há grupos de colaboradores produzindo e entregando instrumentos sanitários, como máscaras plásticas, enquanto o país europeu está em falta de suprimentos. Atualmente, o país precisa de respiradores automáticos para pacientes em terapia intensiva. Assim, os chamados ‘Corona Makers’ projetaram protótipos com códigos abertos para serem baixados de qualquer lugar do mundo e para serem capazes de fabricá-los.

O grupo Equipe Resistencia, que faz parte da rede, já criou seu próprio respirador e, nos últimos dias, um teste bem – sucedido foi realizado na Universidade de Oviedo, nas Astúrias. “Meta cumprida, todos os testes com animais validados, agora é hora de mergulhar e ver se podemos ajudar as pessoas ” , disse a equipe em 1º de abril. Nesse sentido, foi anunciado que, se as autoridades de saúde aceitassem o modelo, o governo local aprovaria o financiamento para começar a desenvolver a fabricação em 3D. No entanto, a codificação do seu Reespirator 23 está disponível na Web e depende dos ministérios da saúde de cada nação se sua produção for aprovada ou não . Por seu lado, a família real já mostrava seu interesse no fórum Innovative Breathing Aid (AIRE), dos ‘Makers’, onde os projetos são compartilhados.

🚩Melhor acender uma vela do que amaldiçoar a escuridão.

Leandro Lutzky

Se você gostou, compartilhe com seus amigos!

https://actualidad.rt.com/actualidad/348447-7-noticias-optimismo-pandemia-coronavirus?utm_source=browser&utm_medium=aplication_chrome&utm_campaign=chrome

Coronavirus comemoração do pessoal da saúde pela luta contra o surto e, hospital de madrid 01 04 2020

O que as tropas dos EUA fazem na Europa hoje traz o perigo mais real do que nunca de uma guerra nuclear com a Rússia. — Dinâmica Global

Leia este artigo com muito cuidado. Encaminhe-o ao redor do mundo. Nossos especialistas em política externa dos EUA estão contemplando A Guerra Nuclear Contra A Rússia Baseada No Primeiro Ataque. E a mídia está dizendo a todos nós que estamos em quarentena que o coronavírus é muito mais mortal que as armas nucleares. E sim, […]

via O que as tropas dos EUA fazem na Europa hoje traz o perigo mais real do que nunca de uma guerra nuclear com a Rússia. — Dinâmica Global

Pois é #UnãoPelaVida os fanáticos bolsominions estão fazendo tática suícida, cada dia mais desgastados e cada vez mais divididos -> não vai ser com essas tentativas de ligar Dória e Lula que vão decolar. O Momento é de união para enfrentar o #Coronavirus e não divisão com picuinhas ideológicas.

🚩#Doria aproxima-se de #Lula numa virada histórica, depois de elogio do ex-presidente

Para combater o inimigo em comum, o coronavírus, o ex-presidente Lula e o governador de São Paulo, João Doria, fizeram um movimento histórico de aproximação. Lula destacou o empenho de Doria no combate à pandemia, enquanto Doria respondeu: “Temos muitas diferenças. Mas agora não é hora de expor discordâncias. O vírus não escolhe ideologia nem partidos”

247 – Para combater o inimigo em comum, o coronavírus, o ex-presidente Lula e o governador de São Paulo, João Doria, fizeram um movimento histórico de aproximação na manhã desta quarta-feira (2). Lula destacou em suas redes sociais o empenho de Doria no combate à pandemia, enquanto Doria respondeu: “Temos muitas diferenças. Mas agora não é hora de expor discordâncias. O vírus não escolhe ideologia nem partidos”.

Lula ressaltou em sua postagem o papel positivo que Doria vem desempenhando no combate ao vírus: “A gente tem que reconhecer quem está fazendo um trabalho sério nesta crise”, disse ele.

Doria foi um dos maiores algozes de Lula. Ele fez campanha explícita pela prisão do ex-presidente, chamando-o diversas vezes de ladrão, e foi eleito através do “BolsoDoria”, dobradinha com Jair Bolsonaro.

No entanto, recentemente, Doria rompeu politicamente com Bolsonaro e a crise intensificou-se após o ocupante do Planalto subestimar o vírus e atacar diretamente Doria, dizendo que sua atuação no combate ao coronavírus era marketing eleitoreiro.

https://www.brasil247.com/brasil/doria-aproxima-se-de-lula-numa-virada-historica-depois-de-elogio-do-ex-presidente

lula e Doria união histórica de combate ao Coronavirus UNIão PELA vIDA

#Venezuela #Russia #EUA ->Rússia: o Ocidente pretende tirar proveito da situação epidemiológica na Venezuela para realizar um golpe – 2 abril 2020 12:20 ‘GMT’

A idéia de um golpe que levaria à remoção do presidente legítimo do país [ #NicolasMaduro ] permanece na mente de algumas forças políticas do Ocidente”, disse a porta-voz da organização, María Zajárova.

Rússia: O Ocidente pretende tirar proveito da situação epidemiológica na Venezuela para realizar um golpe de estado, afirmou o Ministério das Relações Exteriores da Rússia na quinta-feira.

“Vários países são guiados pela situação política, pelo desejo de tirar proveito da difícil situação epidemiológica no mundo e na Venezuela”, disse a porta-voz da agência, María Zajárova. “A idéia de um golpe que levaria à remoção do presidente legítimo do país [Nicolás Maduro] permanece na mente de algumas forças políticas ocidentais”, disse ele.

Mais informações em breve.

https://actualidad.rt.com/actualidad/348571-occidente-situacion-venezuela-golpe-estado?utm_source=browser&utm_medium=aplication_chrome&utm_campaign=chrome

rt

Coronavírus potencialmente ligado à indústria de carne à medida que casos mundiais se aceleram.

2 abril 2020“A indústria da carne está corroendo a eficácia dos antibióticos, que ao longo do tempo estão criando bactérias mutantes que são resistentes a todos os antibióticos… se uma pessoa consome bactérias resistentes a antibióticos a partir de 🚩carne mal cozida e fica doente, ela pode não responder ao tratamento com antibióticos para curar a doença.”

 
.

via Coronavírus potencialmente ligado à indústria de carne à medida que casos mundiais se aceleram.

Condomínio no #RioDeJaneiro envia carta a moradores para cercear panelaço contra Jair Bolsonaro – 1 abril 2020

Os moradores do condomínio Dom Maurício, no bairro da Tijuca, Rio de Janeiro, foram surpreendidos hoje por uma carta da administradora, o Grupo Líder, que pede que evitem manifestações barulhentas contra Jair Bolsonaro.
 
Quem assina a carta é Kátia Regina Cecílio, gerente geral de condomínios, profissional da administradora. Mas ela não fala por si. “Na qualidade de Administradores de Condomínio em epígrafe, atendendo pedido do Sr. Síndico, servimo-nos da presente para solicitar a todos uma maior consideração dos demais moradores do condomínio no tocante à realização de manifestações politicas em sua unidade”, escreve.
 
Na época que havia manifestações contra Dilma Rousseff, quatro anos atrás, não houve nenhuma correspondência desse tipo. Parece muito mais implicância de algum bolsonarista renitente, incapaz de conviver com manifestações contrárias a seu ponto de vista.
 
Seria o síndico? Os moradores não sabem.
 
A administradora apela ainda para empatia (!?!), como requisito para evitar manifestações mais empolgadas.
 
“Desta forma, pedimos a todos que, ao fazer uso seu direito de manifestação, não se esqueça da empatia que sempre foi uma característica do condomínio Dom Maurício e busquem fazê-lo de forma a minimizar ao máximo o transtorno causado aos demais moradores”, afirmou.
 
Um dos moradores que receberam a carta concordou em um único ponto: que se evitem palavrões na manifestação, mas, para ele, tentar cercear um direito, o de manifestação, é ilegal, já que os panelaços, apitaços e barulhaços são realizados antes das 22 horas.
Apesar da ofício, os moradores não dão sinais de que vão poupar Bolsonaro em uma época crítica como a que se vive agora. Os bolsonaristas precisam aprender a viver em um ambiente democrático.
 

#ForaBolsonaro -> Bolsonaro foi à TV para tentar salvar mandato, mas panelaço falou mais alto Leonardo Sakamoto Colunista do UOL – 31/03/2020

Sob um ensurdecedor panelaço registrado nas principais cidades brasileiras, o presidente da República tentou convencer a população de que a fome que será sentida, a partir de agora, por ambulantes, empregadas domésticas, caminhoneiros, entre outros trabalhadores, é culpa das medidas de isolamento social contra o coronavírus. Mas essa fome tem pai: o próprio Jair Bolsonaro e sua negação em governar.
 
Sentindo-se isolado politicamente, abandonado por alguns de seus principais ministros, perdendo apoio em redes sociais e cada vez mais criticado pela população, ele fez um pronunciamento menos agressivo que o de costume. Pouco importa agora. Porque, nas últimas semanas, ele rejeitou a gravidade da pandemia e agiu como inimigo público número 1 da saúde dos brasileiros, fazendo de tudo para minar a única política reconhecida para retardar o avanço dos casos. Sim, Bolsonaro foi o único líder mundial que agiu para promover o coronavírus ao invés de contê-lo.
 
E, por professar o negacionismo, esqueceu-se de ordenar ao ministro da Economia, Paulo Guedes, que preparasse um plano de contingência com antecedência – e Guedes demorou a se mexer por conta própria. Agora, o plano vem sendo liberado a conta-gotas e de forma insuficiente para proteger trabalhadores e micro e pequenos empresários. A concessão de uma renda básica já deveria ter acontecido há tempos para que essas famílias tivessem o que comer desde o início da quarentena, mas deve começar a chegar às mãos dos destinatários apenas na metade de abril. O problema é que os informais são os mais difíceis de serem localizados e aqueles que já estão passando necessidade.
 
Até lá, eles , eles comem o quê? Talvez memes do Gabinete do Ódio, que é a única coisa que o Palácio do Planalto realmente produziu na crise.
 
A primeira morte por Covid-19 ocorreu em 11 de janeiro, o primeiro caso fora da China, em 13 de janeiro, a primeira paciente nos Estados Unidos, em 17 de janeiro, a confirmação de transmissão de pessoa a pessoa, em 20 de janeiro. Com base na transparência de dados da Organização Mundial da Saúde e considerando o histórico de outras epidemias, era possível a qualquer país civilizado começar a desenvolver mecanismos para se preparar para os choques social e econômico.
 
Devido ao vácuo de liderança que o Brasil enfrenta desde Primeiro de Janeiro de 2019, o país começou a discussão sobre medidas para mitigar o impacto da crise junto a trabalhadores e empresários quando já era tarde. Apenas nesta segunda (30), e graças à dedicação de deputados e senadores, o Congresso aprovou a transferência de R$ 600,00 a R$ 1200,00 para que os mais pobres sobrevivam ao coronavírus.
 
Ao invés de negociar saídas diretamente com o parlamento, o presidente gastou suas energias tentando nos convencer de que a pandemia era uma fantasia, uma histeria, uma gripezinha, um resfriado, uma bobagem. Culpou a imprensa de “espalhar a sensação de pavor”, apesar de ser graças a ela que a população está sendo alertada sobre os riscos e formas de prevenção. Atacou governadores que estão organizando ações de contenção ao vírus, criticando o fechamento de escolas e do comércio. E, como sempre, pensando primeiro em si mesmo e, depois, no país, passou a militar para que todos saíssem da quarentena, pois teme que uma recessão profunda enterre seus planos de criar uma dinastia.
 
Bolsonaro ainda comparou vidas com empregos em seu pronunciamento. Por mais que, desta vez, não tenha antagonizado ambos, tem sido claro que ele acredita que seu governo tem sim o direito de decidir quem vive e quem morre. Pois milhares de vidas, principalmente as mais pobres, podem ser sacrificadas em nome da economia e, portanto, de sua sobrevivência política. Guedes condiciona a liberação de recursos a aprovação de uma emenda constitucional, o que é um absurdo.
 
Apoiado por um grupo de empresários que acredita que coronavírus no pulmão dos outros é refresco, o presidente esticou a corda o quanto pode. Mas o seu terraplanismo biológico esbarrou na realidade da ciência. O que deve sentir o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, ao ver que o mesmo presidente que o desautorizava sistematicamente em público é aquele que, no pronunciamento, listou como méritos de seu governo as atividades postas em prática por sua pasta?
 
Inicialmente, o presidente tinha feito uma aposta, de que a letalidade do coronavírus seria menor no Brasil. Se assim fosse, seria o único líder de um país demograficamente relevante que acertou ao não frear sua economia como medida de prevenção.
 
Contudo, à medida em que a velocidade das mortes aumenta por aqui, Bolsonaro também freia lentamente sua narrativa bizarra, contando que sua horda alucinada de fãs não tenha memória. Pelo barulho das panelas, entretanto, o resto da população tem sim.
 
Há um parasita institucional entrincheirado no Palácio do Planalto. Mas, para além das mentiras, o discurso desta terça mostrou medo, algo que – apesar de sua notória covardia, ele não gosta de demonstrar. Bolsonaro, enfraquecido, sabe que a abertura de um processo de impeachment ou de afastamento por insanidade pode ajuda-lo a reunir apoio através de vitimização. Sabe também que o Congresso está dedicado a resolver a crise sanitária e econômica que ele, com sua ação irresponsável, ajudou a ampliar. E, por enquanto, não deve avançar com um impedimento
 
A questão é quanto tempo o país aguenta. Se é que aguenta.
 

#Coronavirus -> Como um ser humano usa a frase “um trabalho muito bom” para contemplar a morte de 100.000 a 200.000 almas?  Nos últimos dois meses, o presidente Trump tentou minimizar a ameaça do coronavírus com uma mistura de fatos e declarações falsas. (Vídeo: JM Rieger / Foto: Jabin Botsford / The Washington Post)  Por Dana Milbank – Colunista – 30 março 2020 

A sincronicidade foi impressionante.

Poucos minutos antes do meio-dia da última terça-feira, o chefe do ‘Trump International Hotel’ em Washington twittou um vídeo proclamando que “teremos uma comemoração huuuuuuge em poucas semanas”. Aparentemente, ele estava se referindo ao plano do hotel, anunciado dias antes do distrito fechar seus restaurantes, para um “espetacular buffet de brunch de Páscoa em nosso grande lobby”.

(Cobertura total da pandemia de coronavírus https://www.washingtonpost.com/coronavirus/?tid=lk_interstitial_manual_4&itid=lk_interstitial_manual_4)

Ele sabia de algo que o resto de nós não sabia?

Três minutos depois, a Casa Branca iniciou uma ” prefeitura virtual ” da 🚩Fox News , na qual o presidente Trump anunciou seu desejo de retornar os americanos ao trabalho – “até a Páscoa”. Ele imaginou “igrejas lotadas em todo o país”.

E um brunch lotado no Trump International!

Isso teria sido uma dádiva de Deus para a Organização Trump. Como o Post havia relatado na noite anterior, os negócios de Trump fecharam seis dos sete principais clubes e hotéis do mundo. Mas a reabertura dos locais de trabalho com a disseminação do vírus teria sido catastrófica para o país, matando potencialmente mais de 2 milhões . Felizmente, os conselheiros de saúde pública de Trump prevaleceram.

Não foi a primeira vez que as ações de Trump deixaram alguma dúvida sobre se ele está fazendo o que é melhor para o país ou o que é melhor para ele. No momento em que Trump parece desapegado do sofrimento, várias ações de pandemia presidencial beneficiam seus negócios, sua campanha ou sua posição pessoal.

No domingo, os conselheiros de saúde pública de Trump disseram que, mesmo com contramedidas rigorosas, as mortes por coronavírus nos Estados Unidos poderiam estar entre 100.000 e 200.000 – piores do que os piores cenários de apenas um mês atrás, e um espetacular fracasso de liderança para um presidente que afirmou ” nós o temos totalmente sob controle “. Em comparação, cerca de 3.000 pessoas morreram nos ataques de 11 de setembro e cerca de 58.000 americanos morreram no Vietnã.

Mas Trump argumentou que, porque 2,2 milhões de americanos poderiam morrer sem qualquer tentativa de controlar o vírus, “se pudermos reduzir isso, como estamos dizendo, para 100.000 – é um número horrível – talvez até menos, mas para 100.000, então , temos entre 100.000 e 200.000, todos juntos fizemos um trabalho muito bom. ”

🚩Como um ser humano usa a frase “um trabalho muito bom” para contemplar a morte de 100.000 a 200.000 almas?

Trump parecia mais comovido pelo número de pessoas que o observavam. Ele twittou no domingo que “as ‘classificações’ das minhas Conferências de Notícias etc. são tão altas ‘, final de bacharel, números do tipo Monday Night Football’ de acordo com o @nytimes.”

E não são apenas os briefings em que Trump usou a pandemia para se promover. Uma correspondência em massa financiada pelos contribuintes da Casa Branca e dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças estava etiquetada, em negrito, em maiúsculas, como “ ORIENTAÇÕES CORONAVIRUS DO PRESIDENTE TRUMP PARA A AMÉRICA ”. Enquanto isso, a campanha de Trump injeta referências oblíquas à crise em suas mensagens de captação de recursos . “Nossa nação está enfrentando um território desconhecido”, diz alguém incentivando doadores a se tornarem “membros do cartão ouro”.

Considerações políticas parecem colorir decisões humanitárias. Vestindo um boné “Keep America Great” durante uma turnê do CDC no início deste mês, Trump disse que queria que aqueles presos no navio Grand Princess “permanecessem” no navio porque “nossos números vão subir” se os passageiros atingidos fossem contados no total de casos nos EUA.

🚩E Trump parecia menos preocupado com o número de pessoas do que com quem poderia ser responsabilizado. Ele disse repetidamente que o vírus “não é culpa de ninguém”, mesmo quando culpa a China e o governo Obama. “O único ponto de discussão dos democratas. . . é culpa de Donald Trump, certo? ” ele disse. “Não, apenas coisas que aconteceram.”

De mais conseqüência: Trump dá a impressão de que está jogando política com suprimentos médicos. 🚩Enquanto estados administrados por democratas com grandes surtos estavam desesperados por suprimentos, a Flórida, um estado de vitória obrigatória para Trump com um governador republicano, conseguiu tudo o que pedia . Embora o governador de Nova York, Andrew M. Cuomo, implore por ventiladores, Trump disse: “Não acredito que você precise de 40.000 ou 30.000 ventiladores”. Trump chegou a sugerir que trabalhadores de hospitais de Nova York vendessem máscaras no mercado negro.
Depois que o governador democrata de Michigan, Gretchen Whitmer, reclamou que os suprimentos médicos que o estado recebeu do estoque nacional eram “apenas o suficiente para cobrir um turno”, Trump a dispensou como “governadora mulher” e ” ‘metade’ Whitmer ” “. Ele disse que Whitmer e o governador democrata do estado de Washington, Jay Inslee, que também se queixaram, são insuficientemente “agradecidos”, acrescentando: “Se eles não o tratam direito, eu não ligo”.

Os democratas estavam suficientemente preocupados com o fato de 🚩Trump gastar fundos de estímulo em seus próprios negócios (ele não descartou isso) para adicionar uma disposição que o bloqueava. Mas seus negócios ainda poderiam se beneficiar de empréstimos e incentivos fiscais no pacote, assim como se beneficia da bem-sucedida campanha de Trump para fazer o Federal Reserve baixar as taxas de juros .

👉🏻Nesta semana, Trump instruiu seu governo a começar o trabalho “imediatamente” em restauração de incentivos fiscais para refeições e entretenimento corporativos. Isso não faria nada para ajudar com a atual crise. Mas seria um ganho inesperado a longo prazo para alguém que possui restaurantes e hotéis.
the washington post logotipo

Igreja e MST criam cozinha solidária para alimentar população de rua em #PE –

A estudante Luana Figueirêdo, 23 anos, deixou o hotel onde está isolada há dez dias para encontrar José Antônio, 43 anos, desempregado, no bairro de Santo Antônio, no centro do Recife.

Ela quebrou a quarentena por opção para ajudar como voluntária do projeto Marmitas Solidárias.

Já José Antônio não teve escolha: ele vive em situação de rua e precisa do jantar, que ela ajuda preparar e servir, para não ficar ainda mais suscetível à infecção do novo #Coronavirus.

“Se por acaso eu pegar essa doença [covid-19] tenho possibilidades para buscar o tratamento, eles que estão na rua não têm essa chance, por isso vale a pena o risco, é por algo maior”, diz a jovem, que preferiu se isolar da mãe recém-chegada da França e que está no grupo de risco.

“Para a gente, que mora na rua e não tem nada, isso aqui é uma maravilha. Graças a Deus ainda têm pessoas de bom coração porque, depois dessa doença, muitos nem querem sair de casa”, afirma José Antônio, esforçando-se para lembrar o sobrenome enquanto aguarda a refeição. O lugar ao qual José Antônio se refere e onde ele encontra com Luana e cerca de mais dez voluntários é chamado de Armazém do Campo. Inaugurado a menos de um ano, o espaço, que fica à beira do rio Capibaribe, funcionava até terça (24) como local de venda para produtos orgânicos cultivados em hortas de trabalhadores da agricultura familiar.

Desde 25 de Maro de 2020, com o apoio da Arquidiocese de Olinda e Recife, o Movimento Rural dos Trabalhadores Sem Terra (MST) montou no prédio antigo uma cozinha solidária, onde mãos generosas preparam e distribuem cerca de mil marmitas somando café da manhã e jantar. Os alimentos serão preparados e doados até o fim da pandemia no estado.

“Com a diminuição da circulação de pessoas e o fechamento de bares e restaurantes vimos essa necessidade. A estratégia é suprir a carência dos beneficiários que só contam com o restaurante popular da prefeitura do Recife no almoço”, conta o integrante do MST e assessor da Pastoral da Juventude Rural de Pernambuco, Paulo Mansan.

Todo processo logístico de produção e distribuição dos alimentos é feito seguindo as recomendações das autoridades sanitárias. Voluntários usam equipamentos de proteção individual, como luvas e máscaras, esterilizam superfícies com álcool e evitam a aglomeração dos beneficiários. Cuidados redobrados, já que a cidade foi a primeira do Nordeste a registrar morte por covid-19, já são cinco (29/03) no total.

“É uma ação emergencial em meio a um trabalho constante dessas organizações da sociedade civil e da igreja. Sobretudo este ano, que temos como ícone da Campanha da Fraternidade a Santa Dulce dos Pobres, não poderíamos ficar alheios aos nossos irmãos que estão nas ruas”, afirma o bispo auxiliar da Arquidiocese de Olinda e Recife, dom Limacedo Antônio da Silva.

Além do apoio da pastoral dos jovens do campo, o projeto também conta com a ajuda de algumas ONGs e grupos de voluntários, que fazem um trabalho permanente de assistência aos que vivem sem abrigo. Chamada de Unificados pelo povo em situação de rua, a turma tem se mobilizado em busca de doações.

“Nossa necessidade mais urgente são as máscaras e os itens de higiene pessoal como sabonete, pasta e escova de dente e shampoo”, explica Luana. A carência dos produtos de limpeza surgiu hoje com a chegada de mais um parceiro, o Banho de Cidadania Recife, que oferece um banheiro móvel aos desabrigados e os kits de limpeza.

Como ajudar? Alimentos e produtos de higiene podem ser entregues na Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos, que fica na Estreita do Rosário, S/N, bairro de Santo Antônio, área central do Recife. O ponto de coleta de doação funciona de segunda a sexta, das 10h às 14h.

https://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2020/03/26/igreja-e-mst-criam-cozinha-solidaria-para-alimentar-populacao-de-rua-em-pe.htm?utm_source=twitter&utm_medium=social-media&utm_content=geral&utm_campaign=uol&fbclid=IwAR0CY5PHnksaCVq0PpCWsvfyXWNsnTYm4ydQc51sdZn0jvMvzVGorI1IqDA

mst e igreja criam-cozinha-solidaria-para-alimentar-populacao-de-rua-em-pe